Contando a Verdade a um Planeta que Está Morrendo





August 2020



É muito difícil escrever este artigo. A única coisa que seria pior, é não escrevê-lo de forma alguma.


TUDO VAI MUDAR!


A Covid-19 dominou nossas vidas de uma maneira que nada jamais dominou - e com uma boa razão óbvia. As Pessoas estão sofrendo, as Pessoas estão morrendo, as Pessoas estão perdendo suas casas e negócios. É de uma magnitude tal que tudo parece ser tão abrangente. Por mais devastadora que seja a Covid-19, parece que é apenas a previa de algo ainda mais catastrófico. Algo que provavelmente causará morte e destruição em uma escala nunca vista desde que os humanos ocuparam a Terra.


Nos últimos meses, inúmeros relatos, de diferentes pontos de vista e organizações vieram à tona - todos com a mesma conclusão - estamos matando os próprios sistemas que tornam a vida no Planeta Terra possível - e estamos matando estes sistemas a uma velocidade tão alarmante, que a probabilidade de nosso planeta ser capaz de se regenerar é mínima ou nula. Neste artigo, gostaria de compartilhar com vocês o que aprendi, e o que estou aprendendo. Não se enganem - o objetivo deste texto não é aborrecê-los, mas sim capacitá-los para que possam tomar decisões mais informadas. Costumo usar esta analogia com meus estagiários, "se você estivesse remando por um rio e houvesse uma cachoeira de 50 pés de altura a uma milha de distância, você preferiria ficar sabendo disso, ou simplesmente continuaria remando em perigo? SE você é o tipo de pessoa que quer saber no que está remando, por favor, continue lendo.





Faltam 12 anos - ou são 5?


O Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática (IPCC) é a organização que forjou um Acordo Climático Multipaíses conhecido como o Acordo de Paris (do qual o Sr. Trump removeu sumariamente os Estados Unidos). É interessante notar que 174 países mais a União Europeia assinaram este acordo cujos objetivos eram limitar o Aquecimento Global a não mais do que 1,5 graus Celsius. Isto é bom, certo? Bem, em teoria, sim. O problema? A ciência não estava lá. Numa tentativa de fazer o mundo concordar, o IPCC fez uma "soft sell" (venda suave) da situação. Em outras palavras, eles omitiram certas informações, por exemplo, "loops de feedback". Um "Loop de Feedback" é quando uma situação causa outra situação. Isto é facilmente compreendido com o Gelo Marinho, que sendo branco, reflete a energia do sol de volta para a atmosfera. Quando derrete, ele é substituído ou pela água (que é escura), ou pela tundra (também escura) que retém muito mais do calor do sol. Além do mais, a tundra também contém metano congelado que, enquanto derrete, é liberado na atmosfera (o metano é 22 vezes mais poderoso que o C02). Estes "Loops de Feedback" estão acelerando os efeitos da Crise Climática para além dos cálculos originais usados pelo IPCC.


Em outubro de 2018, o IPCC surgiu com um novo documento - um relatório muito rígido e aterrorizante, que afirmava que nós, habitantes humanos deste planeta, temos apenas 12 anos para agir SE quisermos manter o Aquecimento Global a menos de 1,5° C de aquecimento (https://www.ipcc.ch/2018/10/08/summary-for-policymakers-of-ipcc-special-report-on-global-warming-of-1-5c-approved-by-governments/). Como observado acima, o relatório do IPCC está, na verdade, carecendo de muita ciência essencial. Um relatório do Professor James Anderson da Universidade de Harvard (2018 *), que inclui a ciência omitida pelo IPCC, de fato chega à conclusão sóbria de que temos menos de 5 anos para fazer mudanças. ISTO SIGNIFICA QUE TUDO DEVE MUDAR! Devemos mudar para a energia renovável, devemos proteger as florestas tropicais - o que significa parar de matar para obter Carne Bovina, Óleo de Palma e outras explorações. Devemos voltar a uma dieta à base de plantas, e devemos RESTAURAR os ecossistemas. Plantar árvores, tirar o plástico do oceano, trabalhar em harmonia com a natureza. Se isto soa como uma ilusão, deve-se notar que em julho de 2020, o Ártico, pela primeira vez na história registrada, de fato atingiu mais de 100 graus f (37,77 c).


1 Milhão de Espécies em Risco IMINENTE DE EXTINÇÃO


Em 6 de maio de 2019, a Organização das Nações Unidas revelou um relatório de 3 anos que foi compilado por 150 cientistas de 50 países. Entre as revelações mais perturbadoras, o relatório afirma que (além das 200 espécies que já estão sendo extintas diariamente) há 1 milhão de espécies em risco iminente de extinção, das quais 500.000 são "mortas-vivas".


A avaliação "apresenta um quadro sinistro", disse Robert Watson, presidente da Plataforma Intergovernamental Político-Científica sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos, uma colaboração científica entre 132 países que produziram o relatório. "A saúde dos ecossistemas dos quais nós e todas as outras espécies dependemos está se deteriorando mais rapidamente do que nunca". Estamos desgastando as próprias bases de nossas economias, meios de subsistência, segurança alimentar, saúde e qualidade de vida em todo o mundo."


De acordo com este relatório:

-Mais de um terço das terras do mundo e quase 75 por cento dos recursos de água doce são utilizados para a produção agrícola ou pecuária.

-A grande maioria da destruição de ecossistemas tem sido causada pela recente expansão agrícola nos trópicos, lar do maior número de espécies do planeta. Cem milhões de hectares de floresta tropical foram perdidos de 1980 a 2000, principalmente devido à pecuária bovina na América Latina e às plantações de óleo de palma no sudeste da Ásia.

-Mais de 40 por cento das espécies anfíbias, quase 33 por cento dos corais formadores de recifes e mais de um terço de todos os mamíferos marinhos estão ameaçados.

-As distribuições de quase metade dos mamíferos terrestres e quase um quarto das aves ameaçadas já foram negativamente afetadas pelas mudanças climáticas.

-Mais de 680 espécies de vertebrados foram levadas à extinção por ações humanas desde o século 16.

-Quase 90% dos pantanais presentes em 1700 foram perdidos até 2000. Estamos perdendo os pantanais três vezes mais rápido do que as florestas.


Esta avaliação, que examinou 15.000 fontes científicas e governamentais e levou três anos para ser escrita, afirma que, a menos que as nações sofram "mudanças transformadoras", esta perda de biodiversidade causará problemas significativos de desenvolvimento, econômicos, de segurança, sociais e morais. Mas, apesar da enorme escala do danos, os cientistas argumentam que ainda há tempo para evitar os piores impactos dessa perda da natureza.


"Não é tarde demais para fazer a diferença, mas só se começarmos agora em todos os níveis, do local ao global", disse Watson. "A natureza ainda pode ser conservada, restaurada e utilizada sustentavelmente - isto também é fundamental para atingir a maioria dos outros objetivos globais".


O que tudo isso significa para nós? Nas palavras do Conservacionista e Ator Extraordinário Harrison Ford, "A natureza pode sobreviver sem nós, NÓS não podemos sobreviver sem a natureza". Olhem para suas famílias, seus filhos, e se perguntem: "O quanto suas vidas são importantes para mim?". Os humanos NUNCA enfrentaram uma ameaça tão imediata e tão esgotante. Não se enganem, não podemos simplesmente esperar que alguém nos salve. SE queremos salvar a vida no Planeta Terra, incluindo as de nossas famílias e as nossas, DEVEMOS AGIR OUSADAMENTE, AGRESSIVAMENTE E DECISIVAMENTE! Tudo deve mudar. Devemos trabalhar juntos, como nunca antes, para salvar este magnífico planeta azul. * https://www.earth.com/news/5-years-mitigate-climate-change/