Os Perigos do Óleo de Palma





July 2019



Se algo parece bom demais pra ser verdade, geralmente é.


Mesmo que você não tenha ouvido falar do termo "óleo de palma", você certamente entrou em contato com ele. O óleo de palma é extraído das palmeiras-de-óleo, que são nativas da África Ocidental. É usado em todos os tipos de produtos, mas principalmente na produção de alimentos. Você pode encontrá-lo em seus óleos de cozinha, sua manteiga e seus xampus, loções, e muito mais. Também é absurdamente barato de produzir; utiliza 10 vezes menos terra para produzir a mesma quantidade de óleo que a planta da soja.


É barato, abundante, e torna nossos alimentos saborosos. Onde está o problema?


Como se vê, as consequências da produção em massa de óleo de palma são mais sinistras do que nossa sociedade imagina. A abundância do óleo de palma fez disparar a produção de alimentos processados e não saudáveis, fomentando o problema de obesidade de nossa nação. Além disso, a Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA) adverte contra o aquecimento do óleo de palma a altas temperaturas, pois pode levar à criação de toxinas causadoras de câncer.


O maior e mais perigoso impacto da produção de óleo de palma é o rápido desmatamento que é necessário para sustentar a indústria. As palmeiras se desenvolvem no mesmo clima tropical que as florestas tropicais. As principais florestas tropicais da Terra estão localizadas na Amazônia Sul-americana, na Bacia do Rio Congo e no Sudeste Asiático, especificamente na Indonésia e na Malásia. Incontáveis acres dessas florestas tropicais foram queimados para dar lugar a enormes plantações de óleo de palma. Os especialistas estão prevendo que 98% da floresta tropical da Indonésia serão convertidos para a produção de óleo de palma até 2050.





Os ecossistemas de floresta tropical são alguns dos mais biodiversos do planeta, o que significa que eles contêm a maior quantidade de espécies em uma determinada área. A Indonésia sozinha abriga entre 10-20% das espécies de plantas, animais e insetos conhecidos no mundo devido às suas densas florestas tropicais. Infelizmente, mais de ⅓ destas espécies estão em perigo de extinção, enquanto 14% das espécies da Malásia estão listadas como ameaçadas.


Como os habitats destas espécies são destruídos para dar lugar às palmeiras-de-óleo, suas populações se tornam cada vez menores. A Indonésia e a Malásia são o lar dos últimos orangotangos selvagens, e eles estão em perigo crítico de se tornarem extintos. O elefante de Sumatra, o rinoceronte e o tigre estão todos agarrados à sobrevivência enquanto veem seus habitats encolherem e serem substituídos por palmeiras-de-óleo.


A extinção das espécies afeta negativamente a humanidade mais do que imaginamos; muitos remédios medicinais e farmacêuticos, como a penicilina, são derivados ou inspirados pela genética de várias plantas e animais encontrados nas florestas tropicais. Com cada espécie que morre, estamos reduzindo ativamente nosso acesso a potenciais descobertas médicas.


A remoção da floresta tropical também ameaça a qualidade do ar que respiramos. As florestas tropicais trabalham o dobro do tempo para purificar nosso ar, sugando dióxido de carbono e substituindo-o por oxigênio, e o fazem de forma mais eficiente do que qualquer outro ecossistema. Ao derrubá-las, estamos esgotando uma fonte crítica de oxigênio limpo. A fumaça e a poluição do ar causada pela remoção da floresta tropical, normalmente feita por queimadas, pioram muito o ar para as comunidades locais.


Além de piorar a qualidade do ar, as emissões das florestas tropicais em chamas aceleram ainda mais a crise da mudança climática. Não apenas acrescenta mais dióxido de carbono na atmosfera, mas a perda da floresta tropical também significa que perdemos um sistema crítico de regulação de carbono. Sem ter nossas florestas tropicais para converter constantemente dióxido de carbono em oxigênio, ficamos apenas com gases retentores de calor perigosos, que circulam desenfreadamente e aquecem ainda mais nossa atmosfera.


Na superfície, parece que a indústria do óleo de palma proporcionou às pessoas que vivem dentro e ao redor da floresta tropical uma fonte estável de emprego e desenvolvimento econômico. No entanto, os empregos oferecidos aos habitantes locais exigem longas e cansativas horas de trabalho por pouco pagamento. Também existem poucas leis que restringem o trabalho infantil, e a indústria tem sido conhecida por tomar terras privadas para promover seus interesses.


Portanto, a produção de óleo de palma causa extensa destruição ambiental, estraga nosso ar puro e viola muitos direitos humanos. O que podemos fazer para detê-la?


Primeiro, podemos tentar evitar os produtos que contêm óleo de palma. Ele é muito difundido; você pode encontrá-lo em muitos itens comuns que compra diariamente. A boa notícia é que existem MUITOS produtos no mercado que se comprometeram a não conter óleo de palma, e esse número cresce a cada dia. Você pode encontrar listas de marcas e produtos sem óleo de palma através de empresas como Selva Beat e Products Without Palm Oil. O óleo de palma gosta de se esconder sob vários nomes de ingredientes diferentes, portanto tente se familiarizar com alguns deles através deste guia útil.


A maneira mais eficaz de nos livrarmos do óleo de palma é reduzir nosso consumo geral de produtos. A produção de óleo de palma continuará sendo um enorme problema enquanto nossa sociedade permitir. Ao reduzirmos nosso consumo, reduzimos o tamanho da indústria e, finalmente, reduzimos seu perigoso impacto na crise da mudança climática, em nosso meio ambiente, na humanidade e em nossas preciosas espécies.